Tendinites
Tendinites

O tendão é uma importante estrutura que liga o músculo ao osso. A ele compete a missão de transmitir a força mecânica desenvolvida pela contração dos músculos que possibilita os movimentos. Para desempenhar sua função o tendão possui uma zona de ancoragem ao músculo, uma zona de ancoragem aos ossos e, no meio destas duas está o corpo do tendão. Qualquer destas áreas pode sofrer com o excesso de sobrecargas.

As solicitações a que o tendão é exposto são muito intensas. Basta se pensar que um pequeno salto de uma bailarina sobre a ponta do pé aplica ao tendão de Aquiles forças da ordem de centenas de quilogramas ! Por estas razões, um tendão, por trauma, pode sofrer o que se chama de tendinite, seja do tipo agudo, seja do tipo crônico.

Os traumas agudos (distenção, contraturas, ruturas) são menos frequentes e geralmente mais graves. São causados ou por um esforço exagerado ou por que, com o tempo, o tendão perde parte da sua elasticidade. A rutura, parcial ou completa, de um tendão deve ser tratada sob controle de pessoa capacitada.

O trauma crônico, menos grave mas nem por isto menos incômodo e incapacitante, toma, normalmente, o nome de tendinite. No tendão, como em qualquer parte do corpo, os componentes estruturais são ativos e estão sempre se renovando. A sobrecarga mecânica e funcional altera este delicado mecanismo e predispões à inflamação e, mais lentamente, à degeneração.

A tendinite por sobrecarga de trabalho ou por fadiga - o que é o mais comum quando se percorre grandes distâncias - é, geralmente, o resultado de repetitivos microtraumas na região afetada.

O sintoma da tendinite é a dor. É a sua duração que irá indicar a gravidade do problema. Se a dor está presente só durante a atividade e desaparece com o repouso, se trata, provavelmente, de uma leve inflamação, que se resolve com a interrupção do esforço e o tratamento local. Se a dor persiste após atividade, mesmo depois de algum repouso, significa que estamos diante de uma forma de inflamação um pouco mais extensa e, por consequência, o repouso e alguma forma de terapia serão necessários. Quando a dor limita os movimentos e é constante, será necessária uma terapia mais intensa, orientada por um especialista. Nos piores casos, pode ser necessária uma solução cirúrgica para restaurar as áreas afetadas.

O surgimento de uma tendinite é, portanto, o sinal de que houve uma sobrecarga funcional que pode ter sido devida a uma atividade física muito intensa, por movimentos esportivos realizados de maneira inadequada ou por um treinamento feito de forma errada.

A terapêutica normalmente utilizada é:

- repouso ou imediata redução do exercício
- terapia física para diminuir a inflamação
- uso local ou sistêmico de antiiinflamatórios

Depois de se ter curada uma tendinite aguda, vale à pena seguir um plano de prevenção, dosando-se corretamente os esforços, evitando-se assim uma recidiva que pode ser muito dolorosa. Este plano deve consistir, basicamente de:

- treinamento com aumento gradativo da carga de trabalho e monitorização da intensidade - alongamento antes e depois dos treinos
- correção técnica dos movimentos errados
- uso de calçados adequados

Observações importantes

Existem antiinflamatórios que vêm associados a analgésicos que atuam por até 24 horas. Seu uso indiscriminado ou sem orientação médica tenderá, com a eliminação dos sintomas, a mascarar um quadro que poderá, em pouco tempo, se tornar muito mais grave.

Se você sentir dores em locais onde imagina que exista um tendão e for fazer uso de um desses medicamentos, faça-o por somente uma vez (para aliviar o desconforto da dor) e espere de 24 horas a 36 horas. Persistindo o sintoma (a dor) procure ajuda médica imediatamente. É melhor fazer isto do que interromper seu Caminho e ter que voltar para casa com uma enorme frustração.


As opiniões aqui emitidas podem não ter respaldo da medicina. São apenas experiências dos peregrinos.